APÓS SECA MODERADA E EXTREMA PREVÊEM-SE CHUVAS INTENSAS

Na primeira quinzena de Outubro obteve-se o registo de temperaturas do ar, muito acima do valor médio para época do ano em que nos encontramos. Houve registo de duas ondas de calor no nosso País, uma que terminou a 7 de Outubro, com uma duração mínima de 6 dias e máxima de 12 dias e outra que terminou a 14 de Outubro com a duração máxima de 5 dias. Nestes 15 dias não se registou precipitação em todo o território do continente, prolongando um período de ausência de precipitação que se havia iniciado em Setembro, mês em que a precipitação no território do continente foi cerca de 65% da média para esse mês.

Segundo o Instituto de Meteorologia, a situação de ausência de precipitação veio agravar a seca meteorológica no continente, e caracteriza-se por um anticiclone de bloqueio localizado sobre a Europa Central e que se estendeu a quase toda a Europa Ocidental, desde a Escandinávia ao Mediterrâneo e da Polónia à Península Ibérica, transportando na sua circulação ar muito quente e seco. Esta situação originou, em Portugal continental, vento em geral fraco de leste e valores baixos da humidade relativa do ar, exceptuando os dias 6 e 7, em que o vento soprou moderado do quadrante norte, por vezes forte no litoral e nas terras altas, tendo-se registado temporariamente uma descida da temperatura.

No concelho de Tomar, no último mês, a nível de condições climatéricas, tem-se vivido uma situação anómala para a época de Outono, as temperaturas tem sido elevadas, TENDO ATINGIDO os 35,6º no dia 6 de Outubro, o que provocou condições de seca extrema, como se pode verificar através do mapa em anexo.

Com o términus desta situação, a partir do final de Sábado, dia 22, viremos a ter chuva, que atingirá alguma intensidade, com especial incidência na madrugada e manhã de Segunda – feira dia 24 de Outubro, onde se prevê a queda de cerca de 20mm de chuva, durante todo o dia, o que poderá causar algumas inundações, caso os canais de escoamento não estejam desobstruídos.

Assim, a Protecção Civil de Tomar informa que os materiais vegetais que se depositaram ao longo da época estival nas valetas, algerozes, vias de comunicação, etc, poderão contribuir para a obstrução dos canais de escoamento, na chegada das primeiras chuvas de Outono, originando inundações.

Por isso, a Protecção Civil de Tomar sugere que a população proceda à limpeza e desobstrução dos telhados e algerozes, valetas e outros canais de drenagem, retirando todo o tipo de material depositado antes das primeiras chuvas. A adopção destas acções tem em conta a mitigação do risco de cheias e inundações.

Anúncios